29.4.12

"É A VIDA, É A VIDA"




o rádio, as músicas que fizeram as nossas cabeças,
Preenchem o vazio dos cômodos.
Você na cama inerte, dolorida,
Pego sua mão, ensaio a sua volta uns passos de dança,
Beijo-te, te chamo de querida.
Mas você, entorpecida, permanece “tão longe
De mim distante”.

Lavo a louça, deixo a pia impecável, o chão bem limpo.
Com carinho e coração
Esfrego-lhe o corpo com arnica, cânfora e rubi.
“Teu corpo ainda é luz sedução”,
Mas você, “onde irá teus pensamentos?”

A música continua a ofuscar a solidão,
Deixo arroz e mistura prontos na geladeira
Ansiando o festejar do nosso almoço.
‘’Como é grande o meu amor por você’’

A madeira paciente, espera que eu lhe traga vida.
Que o Criador me guie ao talhá-la,
Que eu encante a todos que aguardam o fim da escultura.”

A arte me espera,
O dinheiro é curto, calculado,
Ao extremo planejado.
Os passos são medidos,
O passeio sempre adiado.
Assim é o cotidiano, até no feriado.

“É a vida, é a vida”,
De detalhes pequenos,
De passos minúsculos,
De tudo o que escolhemos,
O dever cumprido,
O caminho da glória.

R. Prata