5.6.11

COISAS DA VIDA


Está certo!
Muitas vezes fui covarde,
Falei quando não devia
Calei quando precisava dizer.
Mas...
Minha vida não se fez de sombras
Tive atitudes no momento oportuno
Às vezes,
Nem sempre certa.
Às vezes,
Nem sempre errada.
Às vezes transpus o tempo
Para além do sopro do vento,
Para além do sopro da vida.
Escalei montanhas íngremes,
Mergulhei no mais profundo lodo,
Mas colhi a flor de Lótus.
Minha vida, mesmo com defeitos,
Não ficou no rascunho.
Foi escrita na pedra com talhe profundo
E de nada me arrependo,
Pois que a história de uma vida,
Não se apaga com borracha.

R. Prata