29.3.11

OPZ!

Despenquei a falar
Não sei de quê
Não sei por quê?
Despenquei a falar
Sem beira,
Sem eira,
Não sei porque
Falo sem estribeira
Asneira
Minha mãe morreu ontem
Não sei o porquê
Falo besteira
Sem ponto nem vírgula
Sobre o que não tem palavras
Das lágrimas que não produzem águas
Das poucas e pequenas mágoas
A vida não é brincadeira
Morte, alegria, tristeza
São a sina verdadeira
A vida é uma luta
Ninguém me escuta
Meu Deus me acuda
Não sei se é um RAP
Mais sei que o duro
É que Homem maduro
É sempre um doente
Esperando a morte chegar
Esperando a morte chegar
R . Prata