25.2.11

PERDI MEU POEMA

Já faz muito tempo,
Perdi meu poema
Agora, de alma vazia,
Vivo um problema,
Encontro eu a palavra
Que ponha fim a esse dilema?
O meu poema anda por aí,
Aposentado,
A vadiar com a brisa de Avaré.
Adormecido,
No ventre de um tronco de grevilha,
Esperando que eu retire dele
Encantadora musa.
Talvez, só talvez...
Volte quando a rosa da calçada desabrochar,
O Ipê amarelo do vizinho florir,
Quando a chuva parar,
O Sol surgir,
Talvez, só talvez...