26.1.10

NATAL

Hoje é dia de Natal.
O verão começou a duas luas.
Umas poucas flores nos vasos insistem em alegrar a vida.
Meu espírito anda arrefecido,
Talvez pela falta de rosas no jardim da calçada, a ausência de flores no Ypê amarelo do vizinho.
Atormentado, inclusive, pelo som
grosseiro vagando no ar - irradiado a milhares de watts pelo vizinho.
Na TV, aquele desfile de filmes de papai Noel repetidos anualmente.
Os shows escandalosos. A promessa da retrospectiva de fatos que a gente não deseja lembrar.

Meus sentidos violentados não ousam
Nem um pequeno ensaio de enlevo
Com o bom, o belo, o poético, o Aniversariante.
Este é mais um Natal “Fast-Foode”.

Mas enfim, é natal, o espírito – não do homem de vermelho – mas o do Cristo prevalece.
O som grotesco que invadia o ar é desligado.
Parte dos parentes chega, a refeição é saborosíssima, a conversa alegre. A sobremesa então, uma festa para o paladar.
A inspiração retorna e recomeço este diário por este tema.

Enfim, é natal e, espera-se paz aos homens de boa vontade.

Rubens Prata – 25/12/09